Como o lado racional e
emocional trabalham juntos?

Conteúdos multimídia iH!Criei neste artigo

vídeo
foto
infográfico
áudio
pesquisa
Não temos revisores, portanto, se você encontrar algum erro, por favor nos ajude entrando em contato, e, se você quiser entender o por quê, leia nosso manifesto.

Por Carol Fullen

Talvez você, como eu, já tenha usado o bordão #SouDeHumanas em alguma situação em que a competência ‘mais matemática’ tenha sido exigida. Ou vai dizer que não? Ou talvez tenha sido justamente o inverso. Você, de Exatas, talvez não tenha se sentido confortável quando chegou aquele convite para um brainstorming criativo. Aptidões, obviamente, existem. Não estou querendo dizer que isso é mito. Mas…

É que a gente cresceu condicionado a acreditar nisso aqui:

Na figura cinza da esquerda, é o cérebro racional, e na da direita o criativo emocional. Uma imagem até então clássica que nos levou a achar que quem pensa mais racionalmente não é criativo, pois estão divididos – como na imagem acima! E que pessoas que são mais analíticas e organizadas não sabem pensar inovadoramente… um erro!

Isso não é verdade.

A animação a seguir, mostra de um jeito divertido, como nós pensamos que funciona o cérebro, meio 50/50, uma parte totalmente racional, a outra totalmente criativa. Mas é só pra ilustrar, isso é mito! O melhor é sempre quando temos um equilíbrio entre nossas habilidades.

Todo mundo é e pode ser criativo ☺ E faz sentido que seja somas de diferentes competências que nos ajudem a pensar inovadoramente. E é exatamente isso.

Algumas pesquisas neurocientíficas provaram que ao ser e pensar criativo, acionamos áreas distintas do cérebro que não são de um lado ou de outro apenas. Na verdade, o processo criativo inteiro – da preparação à verificação/prototipação de um projeto, consiste na interação de vários processos conscientes, inconscientes e emoções.

Para estudar isso, os cientistas usaram uma série de testes para ver como funciona o ‘pensamento divergente’ –  um processo cujo objetivo é achar o maior número possível de soluções para um problema. Logo, as pessoas que participaram do teste, fizeram exercícios de como desenhar o maior número possível de figuras geométricas em um determinado período de tempo, foram desafiadas a pensar usos diferentes para objetos cotidianos como um clipe de papel, e ainda responderam perguntas específicas sobre dez áreas distintas de conhecimento, como artes visuais, músicas, escrita, dança, culinária e ciência.

As respostas foram usadas para criar um índice de criatividade. E o resultado foi que não houve nenhuma diferença estatística significativa entre uso dos hemisférios do cérebro. Ou entre homens e mulheres. Na real, o que chamou atenção entre 15% que apresentaram melhor performance foi exatamente o número de conexões entre os hemisférios.

Começou a desconstruir? Espero que sim! Pois bem, agora acredite no seu potencial criativo e exercite fazendo coisas diferentes, por exemplo. Claro que ter um maior repertório de experiências diferentes ajuda – e daí talvez pareça mais fácil para quem está numa área de humanas que lida muito com o ser humano – um mar de experiências distintas. Mas qualquer um pode fazer isso. Repetição, experimentação e acesso a coisas novas e incomuns, hoje é pra qualquer um. Então, nada de usar desculpas como #SouDeExatas. Nem de achar que ser de humanas te dá alguma vantagem. Repertório criativo é pra qualquer ser humano.

Algumas dicas de ouro

  • Permita que sua mente vagueie livremente na criação – ou seja, tente silenciar o crítico interior que já bloqueia ideias antes mesmo delas serem expressadas;
  • Imagine novas possibilidades, aprenda com estímulos do seu exterior – deixe a capacidade infinitamente superior do seu cérebro de processar informações e deixe aflorar novos caminhos;
  • Lembre-se de que nos conectamos por meio de emoções – seu sistema límbico adora! – então conte histórias que gerem conexão e empatia;
  • Não deixe totalmente de lado senso crítico na implementação suas ideias criativa, afinal, eles nos ajudam a aprimorar.

Graduada em Comunicação de Mercado pela ESPN e com Bacharel em Jornalismo pela Faculdade de Comunicação Cásper Líbero, e atualmente cursando o Post MBA Neurobusiness pela FGV, Carolina é hoje Diretora de Inovação e Engajamento na MSL Group – Publicis. Tem  mais de 16 anos de experiência em comunicação corporativa e cargos de gerência, sendo responsável pelo desenvolvimento de equipes e criação / integração de processos internos de trabalho e planejamento e criação de estratégias. Criativa, com forte iniciativa e capacidade de criar e desenvolver equipes, planejar, gerenciar e executar atividades em ambientes desafiadores e fluidos. Atualmente está cursando ” Ignite Your Everyday Creativity” na The State University of New York e vai compartilhar muitos de seus aprendizados aqui conosco também.

Foto da capa: Fran Pulido

Como você se sentiu depois de aprender com este conteúdo?
  • Quero+ (14%)
  • Chocado (14%)
  • Inspirado (0%)
  • Curioso (14%)
  • Surpreso (14%)
  • Feliz (14%)
  • desanimado (29%)

Sobre Ana Carolina Fullen

Graduada em Comunicação de Mercado pela ESPN e com Bacharel em Jornalismo pela Faculdade de Comunicação Cásper Líbero, e atualmente cursando o Post MBA Neurobusiness pela FGV, Carolina é hoje Diretora de Inovação e Engajamento na MSL Group – Publicis. Tem mais de 16 anos de experiência em comunicação corporativa e cargos de gerência, sendo responsável pelo desenvolvimento de equipes e criação / integração de processos internos de trabalho e planejamento e criação de estratégias. Criativa, com forte iniciativa e capacidade de criar e desenvolver equipes, planejar, gerenciar e executar atividades em ambientes desafiadores e fluidos. Atualmente está cursando ” Ignite Your Everyday Creativity” na The State University of New York.

Este post foi publicado em Eu Criativo e marcado com a tag , , , , em por .

3 pensou em “Como o lado racional e
emocional trabalham juntos?

  1. Jonas Jensen

    Olá, interessante essa abordagem. Respeito o conteúdo e fiquei na dúvida, pois se falou muito de criatividade. Mas quanto a tomada de decisões como por exemplo, de gastar o que não tem para fazer um cirurgia no filho em risco de vida? A emoção com certeza falará mais alto. neste exemplo, há divisão dos hemisférios para tomada de decisão?

    Responder
  2. OSVALDO

    Trabalhei anos no mercado financeiro.
    Me aposentei e comecei a sentir falta da adrenalina.
    Hoje voltei a operar no mercado de forex e binárias.
    Não consigo ficar parado, mas trabalho em casa ou de qualquer lugar.
    Sempre gosto de ver novas ideias. Parabéns, continue assim e sucesso pra você.
    Abraço.

    Responder
    1. Patricia Bernal

      Oi Osvaldo! Eu imagino….o meu pai (sou Patricia Bernal, fundadora do IH!CRIEI) também trabalhou muitos anos no mercado financeiro! E sabe o que ele faz hoje (após uns 2 anos afastado?) está empreendendo na Gastronomia! Espero que você esteja mexendo a cuca pra espalhar suas ideias e botar essa adrenalina pra agitar o mercado! 😉 Seja bem-vindo ao portal IH!Criei!

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *