Onde posso estudar sobre TIC?

Conteúdos multimídia iH!Criei neste artigo

vídeo
foto
infográfico
áudio
pesquisa
Não temos revisores, portanto, se você encontrar algum erro, por favor nos ajude entrando em contato, e, se você quiser entender o por quê, leia nosso manifesto.

Para começar nessa área você precisa primeiro ter muita paciência, gostar muito de estudar e se interessar por áreas de exatas como matemática e física, porque muitos softwares requerem que você saiba processos numéricos ao pé da letra. Mas se você é mais artístico e ama essa área também pode se destacar, pois o melhor dos dois mundos é juntar um cérebro que pensa de forma lógica mas que também tenha ideias e empatia de ver – e criar – a parte visual nos programas criados.

Para algumas empresas uma formação acadêmica é muito importante, já para outras isso varia bastante. Um dos pontos a ser destacado é que você estude sobre metodologias e linguagens de programação (como funciona o Java, uma plataforma Windows, um WordPress, coisas assim), e esteja sempre antenado em cursos livres que oferecem certificação.

Nesse mercado de softwares, certificação é muito importante e pode fazer o seu currículo brilhar aos olhos de quem vai contratar, porque, por exemplo, às vezes tal empresa precisa de alguém que trabalhe com uma metodologia X, que é a que melhor funciona dentro daquele grupo, e se você aparece com um certificado daquela metodologia, tá anos luz a frente de quem não tem nada pra mostrar!

Algumas das certificações mais corriqueiras são em PMI (Project Management Institute ou Instituto de Gerenciamento de Projetos, em tradução livre), metodologia norte-americana voltada para a melhor forma de se gerenciar projetos na área de tecnologia; CMM (Capability Maturity Model ou Modelo de Maturidade em Capacitação), que foca no processo de amadurecimento das etapas de desenvolvimento de um projeto; o ITIL (Information Technology Infrastructure Library, ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia de Informação), conhecido como mais um “guia de boas práticas” do que uma metodologia em si, pensando no processamento de dados envolto em um projeto de TI voltado para negócios). E tem mais viu!

Não vamos listar todos pois são muitos os jeitos de se ver e lidar com os dados, e varia de empresa pra empresa e do gosto do trabalho de cada um. As certificações são dadas depois de um período de estudo e uma prova, nos valores entre R$ 300 até R$ 2 mil. No site da Medium você encontra uma tabela com várias das certificações e preços. Mas atenção que são de 2017 então não se assuste caso for procurar e eles tiverem subido um pouco! Uma das coisas mais importantes a se notar: você tendo seus certificados, uma graduação ou aprendendo tudo por conta própria, o domínio do inglês vai melhorar sua vida em 1000%, pois a maioria de material de aprendizado está tudo nessa língua. Ou seja, ou você fala inglês, ou você fala inglês.

Para estudar sozinho, vale de tudo! E-books, blogs, vídeos tutoriais no Youtube, e saiba que várias empresas e plataformas grandes pensam no aprendizado individual e autodidata, pois disponibilizam muita coisa online. A página de softwares da IBM – uma das empresas pioneiras em tecnologia e inteligência artificial – tem bastante material de estudo (em inglês). A HP e a Microsoft (com alguns conteúdos em português) também tem muito material, assim como as plataformas Coursera (em inglês) e Udemy (em português) – e essas são só algumas das milhões que você encontra na rede pra estudar.


Agora se você é mais formal, mais tradicional, e gostaria de fazer uma faculdade, existem opções! A maioria das universidades federais, estaduais e particulares tem pelo menos algum dos cursos na área de tecnologia. A maioria dos cursos são divididos em: Engenharia de Software, Análise de Sistema, Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Alguma das faculdades particulares com cursos reconhecidos pelo MEC (na área de análise de sistemas) são o Centro Educacional Anhanguera, a Cruzeiro do Sul (com cursos presenciais e a distância), a Universidade Salvador Unifacs, a FFB Farias Brito, em Fortaleza,  a Bilac, em São José dos Campos, a Faculdade Pitágoras em Minas Gerais e a IBTA – Instituto Brasileiro de Tecnologia Avançada, em São Paulo – lembrando que não estamos indicando essas universidades/faculdades, apenas citando exemplos, não conhecemos os cursos com profundidade para falar se são de qualidade ou não. Ok?

Também não é estranho encontrar pessoas que cursaram algo na área de ciências exatas como física e matemática ou mesmo engenharia trabalhando com softwares por terem quesitos em comum.

Arte da capa: Yukai Du

Como você se sentiu depois de aprender com este conteúdo?
  • Quero+ (0%)
  • Chocado (0%)
  • Inspirado (0%)
  • Curioso (0%)
  • Surpreso (0%)
  • Feliz (0%)
  • desanimado (0%)

Sobre Patricia Bernal

Sou fundadora e curadora do portal IH!CRIEI, apaixonada pela transformação que a criatividade humana pode impactar! Atualmente estudo o mercado criativo, transformação digital e tudo que envolve inovação em gestão e negócios criativos. Sou Jornalista, Fotógrafa, Filmmaker, Educadora e Palestrante, além de pesquisadora autônoma. Dentro de nossa classificação pra Economia Criativa, sou da área de Comunicação Instantânea, com especialização em conteúdo Multimídias e em StoryMídias, com especialização em Audiovisual. "Espero contribuir com um conteúdo que inspire e ajude as pessoas a fazer um melhor proveito da criatividade, gestão e autonomia de carreira e negócios nas áreas criativas e no mundo digital". Se quiser conhecer um pouco de meu olhar criativo, acesse www.patriciabernal.me

Este post foi publicado em Tecnologia e marcado com a tag , em por .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.