Gastronomia e a
Economia Criativa

Conteúdos multimídia iH!Criei neste artigo

vídeo
foto
infográfico
áudio
pesquisa
Não temos revisores, portanto, se você encontrar algum erro, por favor nos ajude entrando em contato, e, se você quiser entender o por quê, leia nosso manifesto.

De manhãzinha, meio dia, fim da tarde, noite… Os períodos do nosso dia são muitas vezes definidos pelas refeições que fazemos. Ah….Comer é uma delícia, não? Esse é o lado fácil, o difícil é o dos profissionais que precisam pensar em formas criativas de se fazer comida, temperos, sabores, experiências…tudo para agradar o paladar e fazer da sua paixão seu negócio, além, é claro de alavancar a Indústria Criativa gastronômica da sua região.

Se você é uma dessas pessoas que ama ficar no fogão, pretende seguir algumas das inúmeras carreiras nessa área e sente que tem talento ao preparar aquela receita passada de mãe pra filho, fique sabendo que você tem muito onde crescer! E um mercado sedento por experimentar suas criações! Vamos explorar?

Para quem não sabe, a gastronomia é uma das áreas da Economia Criativa, e não é de se espantar – na alimentação circula um valor alto de dinheiro todos os anos no país e no mundo, afinal, comer não é só por necessidade, mas prazer, muito prazer, e em vários sentidos! O termo turismo gastronômico explica muito bem o motivo da gastronomia estar entre as 15 áreas criativas: muitas pessoas viajam o mundo para comer pratos do local. Acredita? Claro! Você já deve ter cruzado com algum chef, Youtuber ou mochileiro que “vende” o lugar pela comida – e a tal da experiência gastronômica, né? Quem se aventura a cruzar mares, estradas e o céu em busca dessas experiências sabe que, ao comer os pratos típicos, descobrem toda uma cultura, tipos de vida diferentes e aprendem muito com os costumes de pessoas de outras regiões . É mais que prazer, um valor agregado, uma experiência de vida.

Por onde começar?

De início sempre bate aquela dúvida, de como, onde, com quem falar… Bom, primeiramente é importante que você coloque o pé no chão, e pense se é isso que quer mesmo. Procurar entender tudo que envolve a área, dos ganhos ao trabalho duro. Das técnicas até as aptidões de relação com a equipe, fornecedores, clientes… Muita gente pensa em fazer gastronomia querendo ser um super chef renomado com um restaurante chique de três estrelas Michelin (que funcionam meio como as famosas 5 estrelas de hotel, uma classificação que ranqueia, todos os anos, os melhores restaurantes do mundo), e não tem nada de errado se esse for o seu sonho, mas precisa saber que vai ter que batalhar muito pra chegar lá – então no mínimo, você deve além de gostar de cozinhar, adorar grandes desafios!

Vamos falar a real: Fazer gastronomia é ficar horas em pé, trabalhar com utensílios perigosos como fogo, facas, panelas cheias de óleo quente, é lavar muitaaaaaaaaaaaaaa louça, chorar muito picando cebola, e mesmo pra quem tem um restaurante, organizar uma equipe, testar os pratos, comandar a compra de ingredientes… Enfim, dá pra entender que é trabalho duro mesmo, no glamour!

Por exemplo, em 2011, o MEC (Ministério da Educação) fez uma pesquisa que indicou que um terço dos alunos de gastronomia abandona o curso. Pensando que esse é um curso que normalmente tem dois anos de duração, é um número bem grande, quase a mesma de desistência do curso de medicina! Por isso, é muito importante saber da realidade logo de cara, pra no meio do caminho não ter aquele choque e acabar desistindo. Ok? Vamos te ajudar nisso!

Claro que a primeira coisa é saber – e amar – cozinhar. Sem isso você já sabe que Gastronomia não é a sua área – a não ser que você seja um amante de comidas, mas mais como ciência ou negócios, como veremos adiante. Daí pra frente, o importante é estudar e praticar muito.

A questão é: você gosta de comida? Se sim, como quer se envolver com ela?

Na carreira de gastronomia você vai trabalhar por etapas bem definidas, o que não rola em outras profissões da economia criativa. O comecinho muito provavelmente vai ser como ajudante de cozinha, depois auxiliar, cozinheiro, chefe de praça (quem coordena um setor), subchefe e por final chefe. Vale lembrar, você pode se descobrir fantástico em qualquer uma dessas etapas, não é só o chef que é valorizado.

Uma dica importante é seguir alguns chefs famosos da sua área e ficar de olho em como eles trabalham. Muitos postam bastante informações, técnicas, estilos, conselhos nas redes sociais com frequência sobre como é o dia a dia, e você pode pegar ideias muito boas. Uma delas é a Roberta Sudbrack, que é dona de um restaurante no Rio de Janeiro. Começou vendendo cachorro quente, no qual conta sobre sua história no seu blog sobre o começo da carreira. O livro do chef Anthony Bourdain, “Cozinha Confidencial” (ed. Companhia das Letras) também conta os bastidores do trabalho do chef e pode ser um bom amigo na hora de estudar e preparar a sua carreira.

Livro de Anthony Bourdain, editora Companhia das Letras

E por que é tão importante ficar de olho no trabalho de outros chefs? Porque na gastronomia, assim como em algumas outras áreas da economia criativa, a ideia do mentor ainda é muito forte. Sabe como um artista menor trabalha com aquele que é grande pra ser seu aprendiz? É a mesma coisa. Nem sempre vai dar pra trabalhar com seu ídolo, é claro, mas ter um nome conhecido no seu currículo, com alguém bacanudo que você trabalhou, vai dar um up fantástico e ajudar muito para que o seu trabalho seja visto e até reconhecido. No Brasil, um dos maiores chefs é o Alex Atala, considerado em 2018 o sétimo melhor chef do mundo pelo The Best Chef Awards 2018, além do Olivier Anquier, francês naturalizado brasileiro. Vale destacar a Helena Rizzo, uma mulher empreendedora que conquistou seu lugar – e até na gastronomia o reconhecimento de um excelente chef é majoritariamente masculina, um dos problemas na carreira de uma chef mulher, se pensarmos na diversidades de chefs não só do Brasil, mas do mundo.

Embora a economia do país não seja das melhores, o que faz com que o consumo e as idas a restaurantes diminua, a gastronomia tem crescido bem, sendo destaque em 2017 com mais de 16 mil empregos de Chef de cozinha de acordo com a Firjan (A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro).

Profissões mais numerosas em 2017 de acordo com a Firjan

Outra fonte de renda que tem crescido muito são as redes de entrega de comida que enchem nossas ruas – e nossas casas – todas as semanas. O iFood, por exemplo, é uma empresa brasileira, que foi criada por Felipe Fioravante, primeiro como uma startup, depois um site e por fim o sucesso em forma de aplicativos. Já pensou que você pode trabalhar criando novas formas de consumir alimentos e atingir mais e mais pessoas? Outro que vem crescendo e atendendo novos mercados é o Apptite, um aplicativo que só vende comida artesanal. Lembra da mistura de Youtuber e Comida? Pois o influenciador André Pilli, produziu um vídeo para o app – contando um pouco sobre com funciona. Vale a pena conhecer!

Outro que também vem ganhando espaço é da plataforma Dineer, que é meio como um AirBnB de troca de experiências gastronômicas. Vale a pena conferir! Bom, deu pra entender que tem muita coisa pra falar de carreira, trabalho e negócios na área da Gastronomia, uma das mais deliciosas da Economia Criativa!

Aliás, depois de todo esse papo, deu uma fominha, não deu?!

Neste espaço dedicado a Gastronomia, você vai conferir artigos sempre com foco em carreira, negócios e empreendedorismo! Portanto, fique com a gente para ter novos insights, visão empreendedora, ampliação de novos negócios e tudo voltado para esse delicioso mercado da Economia Criativa! Bem-vindo/a ao IH!CRIEI! 😉

Você pode nos ajudar a construir um conteúdo qualificado e assertivo dando suas sugestões, trazendo seus incômodos e opiniões, seja nos comentários ou redes sociais. Nosso canal mais ativo no momento é o Instagram: @ihcriei. Segue lá!

Estamos atentos e em constante aprendizado! Nos vemos no próximo artigo! E não deixe de nos dizer como você se sentiu ao ler este conteúdo, a gente se importa com você…

>> Colaborou para este artigo, texto e design Patricia Bernal

Arte da capa: Fran Pulido

Como você se sentiu depois de aprender com este conteúdo?
  • Quero+ (7%)
  • Chocado (7%)
  • Inspirado (7%)
  • Curioso (13%)
  • Surpreso (20%)
  • Feliz (33%)
  • desanimado (13%)
Camilla Zahn

Sobre Camilla Zahn

Camilla Zahn é assistente de conteúdo e gestão de redes sociais, designer e filmmaker. Formada em audiovisual, amante de gatos e filmes do expressionismo alemão, é portadora de uma doença rara e deficiente física, buscando compartilhar suas vivências com o mundo, sempre de forma criativa, e com muita emoção. Para entrar em contato, envie um e-mail para zahnfilmmaking@gmail.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *