“Faça o que você ama que
o dinheiro vem (ou não)!”

Conteúdos multimídia iH!Criei neste artigo

vídeo
foto
infográfico
áudio
pesquisa
Não temos revisores, portanto, se você encontrar algum erro, por favor nos ajude entrando em contato, e, se você quiser entender o por quê, leia nosso manifesto.

Eu cresci ouvindo essa frase e para falar a verdade: até hoje o dinheiro não veio! Por um tempo, achei que as pessoas que me diziam essa afirmação estavam me enrolando. Tá bom, deve ser difícil fazer todo dia o que não gostamos. Mas também é duro trabalhar com afinco – no que se ama – e não ter retorno financeiro. Como resolver esse dilema?

Há algumas reflexões sobre esse tema (polêmico) que gostaria de compartilhar com você que e, como tudo na vida, têm aspectos positivos e outros “nem tanto”. Primeiro, vamos explorar como funciona essa relação entre prazer x dinheiro:

Aqueles que trabalham na Economia Criativa são pessoas que geralmente fazem o que amam, então já entendem melhor os pontos positivos. Agora, para os que atuam foras das áreas criativas, nem sempre esse “fazer o que ama” é compreendido. Pode ver, quando você pergunta: “E aí, você gosta do que faz?”, a pessoa responde “Eu gosto”, mas a real é que nunca parou pra pensar muito ou o dinheiro é satisfatório, então tá OK. Pois é, parece triste pra um criativo ouvir isso….perceber que não há brilho nos olhos daquela pessoa…que a vida dela poderia ser tão mais incrível se ela fizesse o que ama! Mas, o fato é que muitas pessoas ainda trabalham ou executam funções que não gostam, simplesmente por que tem que pagar os boletos e não conseguiram pensar em outra saída. Ou não tem coragem. Ou mil e uma coisas que podemos trazer em outros artigos. Mas, o foco não é esse. Este artigo veio para chamar atenção de quem já achou aquilo que ama fazer e cai naquele velho (mas sempre presente) dilema: como é que ganha dinheiro fazendo o que amo? O que eu tenho que fazer para conseguir viver disso por anos e anos?

Pois é, os criativos costumam ter problemas conflitantes em relação a dinheiro. Para quem “trabalha pelo salário e não por prazer de criação ou paixão individual” pode ter certa dificuldade de compreender o “sofrimento do criativo” e achar que ele é um perdido, sem foco, que não sabe onde quer chegar… que suas ideias e paixões são bullshit. Na verdade, assim como qualquer outra carreira, as profissões das áreas criativas deveriam ter uma formação empreendedora e mais preparada para atuar no mercado de forma independente ou bem direcionada. E não é essa a realidade.

As faculdades que tem uma formação empreendedora ainda são restritas a uma classe social, seja pelo valor alto de uma mensalidade (um curso de Pós em Gestão de Economia Criativa na ESPM custa mais de R$ 70,000 ou faculdades como EBAC ou BELAS ARTES possuem cursos incríveis mas que custam média de R$ 4.000 reais por mês) ou pela concorrência…como uma Unicamp da vida. Portanto, do ponto de vista da paixão, o modus operandis dessa galera da Economia Criativa já está bem conectada com a visão do futuro do trabalho – paixão pelo que se faz + criatividade, itens básicos dos profissionais do futuro. Ou seja, os criativos já estão a um passo a frente sem saber. E quem quiser entrar nesse jeito de trabalhar criativo, pode também! É por isso que se fala tanto em criatividade para todos, por que envolve muitas coisas, sendo uma das principais: a paixão e envolvido pelo que se faz, algo que o criativo entende de imediato e não abre mão.

O site O Futuro das Coisas fez uma análise de uma pesquisa da Deloitte University sobre o futuro do trabalho, que mostra que uma das principais mudanças que devem ocorrer nas implicações humanas é que, além das pessoas terem que continuar o aprendizado e modelar sua carreira de forma mais verdadeira – algo essencial para se manter ativo, motivado e em crescimento – elas terão que seguir sua paixão. Caso contrário, poderão se tornar profissionais obsoletos, sem valor e totalmente desestimulados. Você não quer ser um destes né?

E, se mediante as novas tecnologias como a robótica, inteligência artificial (IA), sensores e dados, o recado dos futuristas é claro, de que teremos que nos aproximar cada vez mais das habilidades exclusivamente humanas como empatia, inteligência social e emocional, capacidade de definir contextos e de solucionar problemas, curiosidade, imaginação e criatividade, como é possível você trazer todas essas características humanas no seu trabalho se o que você faz não vai de encontro com o que você quer viver, ou seja, aquilo que você tem talento e te dá prazer? A questão é: quando você descobrir, você vai entrar exatamente no questionamento deste texto. E aí entra o segundo problema: o ganhar dinheiro com isso.

Para tentar responder essa questão, peço que reflita sobre alguns questionamentos e se quiser responda mentalmente comigo neste momento introspectivo:

O que você faz (e que você ama):

1. Potencializa o seu talento – você se sente desafiado a cada novo trabalho e vai buscar e estudar novas habilidades para desenvolver o seu talento?

2. O que você faz é algo que o mercado necessita ou deseja?

3. Alguém pagaria por isso? Tem valor de mercado? Você sabe qual é o seu valor de mercado real ou você executa e espalha seu talento às cegas?

E mais que essa reflexão, saiba que você tem que se esforçar, porque qualquer novo resultado que se deseja obter – como por exemplo ganhar mais dinheiro com seu talento – retorna na medida que nos esforçamos e fazemos diferente. Não dá para deixar as coisas para amanhã ou fazer de qualquer jeito! E esforço tem haver com dedicação. E dedicação tem haver com motivação intrínseca – um bem-querer que vem lá de dentro da gente e faz a gente brilhar os olhos, agitar o juízo e mover o corpo para a realização.

Então, se você ama o que faz p-r-o-f-i-s-s-i-o-n-a-l-m-e-n-t-e (não é hobby, é trabalho!),  tem que saber onde e quando quer chegar. Você realmente sabe? E, mais que isso, quem são os parceiros de caminhada para chegar mais rápido ou mais longe – uma escolha bastante individual e que você vai decidir conforme o “passo a passo da sua caminhada”. Não tem fórmula. Tem sentir, perceber, entender, testar, fazer e ver o que vai acontecendo. Como educadora, o meu papel aqui é também trilhar algumas sugestões para sua caminhada. Então vamos ao check-list?

CHECKLIST

1.Mude sua postura/seu mindset para um agir profissional;

2. Aja com dedicação e esforço;

3. Saiba o seu valor;

4.Tenha objetivos traçados;

5. Identifique bons parceiros.

E faça tudo isso alimentando sua motivação intrínseca (aquela que nós falamos lá no começo). Ela nos impulsiona. Nos inquieta.O que compartilhei com você é mais que um pensamento criativo, é mais que utilizar processos criativos para chegar a algum caminho coerente, é o que chamo de “viver criativo”, onde você usa o seu talento, sua paixão e ganha a grana merecida para que possa expandir e SE expandir! E isso tem haver com nossas causas pessoais. Ela alimenta o “por quê” de nossa jornada. Mas a importância do “por quê” é assunto para outro momento.

Quer se inspirar em histórias de start-ups que deram certo fazendo coisas criativas, no que gostam? Então você deveria ler o livro “Empreendedorismo Criativo”, da Mariana Castro (ed. Portfolio/Penguin). Compre aqui na Amazon!

Sendo assim, já temos um motivo, dicas, e uma justificativa para nossa conexão. Agora me conta o que eu quero saber:

• Você ama o que faz?

• E isso paga seus boletos?



Multipontencial desde quando esse percurso formativo não era compreendido pelo mercado (e por nossos pais). Doutoranda em Comunicação e Semiótica, mestre em Planejamento Territorial, especialista em Marketing e bacharel em Design e Direito. Atua na docência, consultoria e mentoria de projetos e negócios da Economia Criativa para transformação da criatividade em ativo financeiro. Curiosa e proativa. Gosta de gente mais que de coisas.

Arte da capa: Yukai Du

Como você se sentiu depois de aprender com este conteúdo?
  • Quero+ (33%)
  • Chocado (0%)
  • Inspirado (0%)
  • Curioso (0%)
  • Surpreso (0%)
  • Feliz (67%)
  • desanimado (0%)

2 pensou em ““Faça o que você ama que
o dinheiro vem (ou não)!”

    1. Patricia BernalPatricia Bernal

      Oi Sandra! Tudo bem? Opa, felizassa com seu feedback!!! =))) Hahaha, acredito nas suas palavras!! Amando tudo isso aqui! Seja sempre bem-vinda!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *