Brinquedos e Jogos
na Economia Criativa

Conteúdos multimídia iH!Criei neste artigo

vídeo
foto
infográfico
áudio
pesquisa
Não temos revisores, portanto, se você encontrar algum erro, por favor nos ajude entrando em contato, e, se você quiser entender o por quê, leia nosso manifesto.

Brinquedos e jogos (excluindo-se vídeos-games, há uma subcategoria dedicada especialmente para a área de Games) são criações lúdicas e educativas que, inicialmente, são parte da infância de todo mundo. Também fazem parte de um mundo adulto que não dispensa diversão, conhecimento e desafios. Com o passar do tempo, esses produtos criativos ganharam novos concorrentes: a televisão e depois os games digitais. Por um lado, foi positivo pois aumentou as opções de entreter + educar, por outro está buscando se reinventar. Segundo a revista Forbes, o setor de jogos de tabuleiros modernos, por exemplo, foi responsável por cerca de R$ 665 milhões do faturamento da indústria de brinquedos nacional. Mas a pergunta que fica: se em 2018, mais de 4.000 “boardgames” foram lançados, porque e têm gerado tanto dinheiro, por que pouco se fala sobre esse mercado como uma opção de trabalho?

Antes de entrarmos em reflexões sobre o mercado em si, vamos entender em qual segmento estão os jogos físicos e os brinquedos. Ambos são o que chamamos de StoryMídias, nova classificação @ihcriei para a Economia Criativa. Nesta categoria, a principal intenção é atrair o público que quer “imaginar” e recorre a algumas das áreas criativas que compõe essa categoria, jogos e brinquedos é uma delas. Resumindo: quando quero me transportar para um outro contexto, criado e envolto a partir de uma história e por isso Story (história) Mídias (o tipo de mídia, formato).

Os jogos e brinquedos fazem isso muito bem, não acha? Por exemplo, quando uma criança brinca com uma boneca ou carrinho, na verdade ela está criando uma história mental (o próprio mundo imaginário) ou, minimamente, está focada em seu brinquedo. Basta reparar como ela se “desliga” do mundo real enquanto “mexe” naquele brinquedo. Outro exemplo é quando você, jovem ou adulto, participa de um jogo de tabuleiro e imerge naquele mundo de competição esquecendo tudo ao seu redor, focando apenas no jogo e nos seus amigos/competidores. Captou a ideia dessa arte/produto criativo?

Outro aviso rápido: Este artigo é o início das pesquisas @ihcriei sobre essa área que parece ser muito sedutora para quem busca criar produtos que gerem maior interação humana – saindo um pouco do virtual digital e indo para experiências que acontecem presencialmente, olho no olho. Portanto, se você tem interesse em explorar esse mercado, talvez comece a pensar em como, juntos, podemos inovar nessa área aparentemente um tanto esquecida. Ao nosso ver, ela tem um potencial humano muito grande, não só educativo, como inicialmente ela surge, mas como forma de experiências em grupo e entretenimento, algo que vem sendo valorizado em um mundo onde as conexões acontecem principalmente no virtual.

CONTEXTO INICIAL DO MERCADO DE JOGOS

Embora tenha ganhado muito concorrentes (e deve ganhar mais, já que a criatividade humana é inesgotável) este mercado é grande e atinge diversas faixas etárias – de 0 a 100 – eu diria. Por onde começar? Vamos lá!

Primeiro vale lembrar que essa mídia oferece uma grande fonte de novos produtos, assim como oportunidades para propaganda e marketing, e de muita gente ainda gosta de sair um pouco do ambiente virtual e ficar ali, ao redor da mesa com os amigos ou a família. E a nova geração? Isso vai da criação, cultura, educação e disponibilidade dos pais incentivarem esse tipo de jogo mais manual. No cenário atual, a maioria das crianças querem gastar menos tempo se divertindo com brinquedos e mais tempo em frente à TV ou à tela de um computador. Mas isso varia muito de como que é a relação e os hábitos da família ou amigos.

Afinal, é mais fácil se perder e imaginar-se no mundo virtual, que está ali nas suas mãos e não depende de ninguém pra acontecer. Já um jogo de tabuleiro exige que você convide as pessoas para se deslocarem e irem pra um ambiente (isso não deveria ser bom?!) … ou mesmo se morar na mesma casa, ver valor em estar ali, ao invés de estar no mesmo espaço em um mundo paralelo. Vale? Acreditamos que sim. Quanto mais diverso for o seu consumo de “quando quero imaginar“, mais criativo e vivências diferentes você terá. Além de visualizar novas oportunidades de negócios. Como assim?

Segundo Pesquisa da Game Brasil 2019, 28% da população do país se diverte com tabuleiros (boardgames), fatia próxima dos que jogam cartas – 34%. O segmento de representou 9,7% das vendas do setor de brinquedos, de um total de R$ 6,871 bilhões, em 2018. Além disso, a indústria de jogos analógicos como um todo teve crescimento de 7,5% no ano, segundo a Associação Brasileira dos Fabricante de Brinquedos (Abrinq). Olhem os dados de faturamento divulgado no relatório de 2019:

Relatório Brinquedos 2019 da Abrinq

Se você é do mundo corporativo ou empreendedor, independente da área, pense: porque não criar jogos de tabuleiro (e não só os virtuais, como vemos na difusão na gamificação dentro das plataformas, apps e interação via jogo para gerar conhecimento corporativo interno). A ideia proposta aqui, por exemplo, é que as próprias empresas criem seus jogos a fim de tornar a absorção de conhecimento mais lúdica e o relacionamento entre os colaboradores ser diferente. Imagina que legal sugerir aos próprios colaboradores como eles gostariam de aprender? É a chama CO-CRIAÇÃO que cresce a cada dia mais dentro e fora das empresas. E quando entra o mundo criativo que gera essas peças imaginárias, a brincadeira e o aprendizado ficam ainda melhor. Temos cases para mostrar isso.

Portanto se você – como a gente aqui – ama brinquedos e jogos de tabuleiro, que tal olhar como é o mundo de quem trabalha criando esses produtos? Quem sabe, se torne mais uma atividade criativa de seu negócio ou projeto! Ou está buscando inovação na comunicação? Esse pode ser um caminho! Por exemplo, nós criamos nosso primeiro “tabuleiro” @ihcriei, ao que chamamos de quebra-cabeça, foi incrível o processo de pensar, criar, e depois tocar nele, sentir e saber que podemos mostrar nossas ideias de novas formas. Para quem ficou curioso, a criação foi para explicar os primeiros produtos e serviços @ihcriei para o mundo. Louco né?

Imagem: Patricia Bernal / IH!CRIEI

Você ainda tem algum brinquedo de criança favorito ou já pensou em criar algum brinquedo ou jogo? Se, sim, mostra pra gente! Manda um e-mail vamos amar ver a sua criação ou paixão! E vale lembrar que brinquedos e jogos também são pra gente grande, e que ajudam e muito a desenvolver a criatividade.

QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS EVENTOS DA ÁREA?

Um deles é o Diversão Offline, evento dedicado a arte, que recebeu em 2018, mais de 18 mil pessoas e movimentou 2 milhões de reais no mercado de jogos analógicos aos longo de seis edições, segundo a revista Forbes.

Outro é da Abrin, terceira maior feira de brinquedos do mundo. A próxima ocorre em Março de 2020.

É importante enfatizar que não somos especialistas em todas as categorias da indústria criativa, só em algumas como Comunicação Instantânea e StoryMídias. Porém, somos jovens pesquisadores da Economia Criativa e estamos, aos poucos, nos informando, conhecendo e vivenciando cada um dos universos criativos, para ampliar nossa visão de mundo e proporcionar a você uma imersão completa e maior entendimento do por quê esse universo da criatividade humana é tão fascinante, e como você, seja de qual área criativa for ou, caso não seja, trabalhe com os criativos, consiga ampliar sua visão de mundo para gerar inovação em sua atividade profissional e assim obter cada vez mais reconhecimento!

Você pode nos ajudar a construir um conteúdo qualificado e assertivo dando suas sugestões, trazendo seus incômodos e opiniões, seja nos comentários ou redes sociais. Nosso canal mais ativo no momento é o Instagram: @ihcriei. Segue lá!

Estamos atentos e em constante aprendizado! Nos vemos no próximo artigo! E não deixe de nos dizer como você se sentiu ao ler este conteúdo, a gente se importa com você…

>> Colaborou para este artigo, texto e design Patricia Bernal

Arte da capa: Fill Ryabchikov

Como você se sentiu depois de aprender com este conteúdo?
  • Quero+ (33%)
  • Chocado (0%)
  • Inspirado (0%)
  • Curioso (67%)
  • Surpreso (0%)
  • Feliz (0%)
  • desanimado (0%)

Sobre Camilla Zahn

Camilla Zahn é assistente de conteúdo e gestão de redes sociais, designer e filmmaker. Formada em audiovisual, amante de gatos e filmes do expressionismo alemão, é portadora de uma doença rara e deficiente física, buscando compartilhar suas vivências com o mundo, sempre de forma criativa, e com muita emoção. Para entrar em contato, envie um e-mail para zahnfilmmaking@gmail.com.

Este post foi publicado em Brinquedos e Jogos e marcado com a tag em por .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *