Como criar um jogo?

Conteúdos multimídia iH!Criei neste artigo

vídeo
foto
infográfico
áudio
pesquisa
Não temos revisores, portanto, se você encontrar algum erro, por favor nos ajude entrando em contato, e, se você quiser entender o por quê, leia nosso manifesto.

Para quem não tem ideia de onde começar, um dos processos de criação de jogos de tabuleiro pode ser pelos livros… histórias já criadas podem ser recriadas em formato de jogo, como é o caso do jogo Quissama, criado pelo professor de inglês, Ricardo Spinelli, e baseado no livro Quissama, de Maicon Tenfen. O jogo demorou 2 anos para ser desenvolvido e, muito provavelmente você não o conhece. A distribuição e divulgação de jogos de tabuleiro no Brasil é um dos fatores de dificuldade que observamos também nesse mercado criativo, assim como o de Games – que está em alta, mas ainda em estágio embrionário de mercado nacional, como os próprios gamers relataram ao @ihcriei. Outras áreas criativas também “sofrem” com essa falta de conhecimento, incentivo e abertura.

Um outro caminho fora os livros é pensar em um tema que gostaria de trabalhar. Corrida, jogos espaciais, policial, agricultura, turismo, guerra e por aí vai. Lembre-se: um jogo é uma história sendo contato por quem joga, mas criada por quem imaginou as diversas possibilidades de acertos e erros. Depois de decidir a temática, deve se pensar na mecânica (ações) do jogo, como é que ele vai funcionar na prática. Existe um site que tem centenas de jogos criados por pessoas do mundo todo – e lá tem muitas mecânicas que você pode se inspirar. É o Board Game Geek, mas se você não está familiarizado com o idioma inglês, pode começar a entender um pouco mais através do canal Fazendo Nerdice, que explica de um jeito descontraído, um pouco sobre as mecânicas dos jogos, clicando aqui.

Depois do processo do como jogar, inicia-se a parte de criação com o designer para tornar real a história. Tem uma ideia, mecânica pronta, e quer fazer acontecer? Algumas empresas como a Game Maker, no Rio de Janeiro, pode ser uma opção. Geralmente eles tem toda a estrutura para desenvolver e criar seu jogo – inclusive partindo do design até a fabricação em si. Deu vontade de criar um jogo? Pois confira algumas dicas valiosas pra quem quer começar nessa área:

1. Assista reviews de jogos

Ver um review de um jogo na internet é muito útil porque você fica conhecendo aquele jogo e já faz uma bela pesquisa de mercado: descobre o que potenciais compradores do seu produto podem ou não gostar.

2. Pense na emoção primeiro

Quando estiver criando um jogo ou brinquedo, pense na emoção que quer que o consumidor tenha, antes mesmo de regras, design, etc. Se você tiver um jogo que prende a atenção e cria a emoção no jogador, e antes de mais nada em você, já está no caminho certo.

3. Faça uma boa propaganda

Hoje em dia, ainda mais com a tecnologia, a frase “a propaganda é a alma do negócio” é muito verdadeira. Você pode criar um produto incrível, mas se ninguém souber dele – ou porque ele é assim tão diferente do que já está no mercado – você não vai ter sucesso, e isso não significa que a sua criação é ruim.

4. Tenha contato com outros criadores e jogadores

Um bom exemplo de lugar para entrar em contato com outros criadores e amantes de jogos de tabuleiro é participar de fóruns online como o Board Game Geek ou o Board Games Designers (ambos em inglês). Você troca experiências, tira dúvidas e pode conhecer pessoas do meio muito legais.

COMO FUNCIONA OS DIREITOS AUTORAIS NESTE MERCADO?

Segundo livro de John Howkins, “Economia Criativa – Como ganhar dinheiro com ideias criativas”, (Ed. MBooks), um brinquedo ou jogo se qualifica para vários tipos de propriedade intelectual. O seu nome pode ter uma marca registrada e seu desenho e elementos artísticos podem ser protegidos por direitos autorais. Por exemplo, o desenho impresso de um jogo de tabuleiro são protegidos como obra artística. Já as regras do jogo, embora sejam a “alma” dele, segundo John, não podem ser protegidas, pelo menos na legislação britânica. E no Brasil? Precisamos pesquisar, e estamos indo atrás disso. Tem áreas criativas que tem mais dados, outras menos, e outras, como essa de jogos e brinquedos praticamente nada. Nos ajude a descobrir também, mais fontes confiáveis, caso você conheça, nos envie um e-mail, agradecemos muito sua colaboração.

Mas lembre-se: este é só o início do processo. É muito importante você saber duas coisas: como funciona o universo de direitos autorais de suas criações e como irá distribuir e fazer dinheiro elas. Ok? Como disse, esse é apenas o início das pesquisas neste mercado, esperamos trazer muito mais pra você.

Arte da capa: Fran Pulido

Como você se sentiu depois de aprender com este conteúdo?
  • Quero+ (0%)
  • Chocado (50%)
  • Inspirado (0%)
  • Curioso (0%)
  • Surpreso (50%)
  • Feliz (0%)
  • desanimado (0%)

Sobre Patricia Bernal

Sou fundadora e curadora do portal IH!CRIEI, apaixonada pela transformação que a criatividade humana pode impactar! Atualmente estudo o mercado criativo, transformação digital e tudo que envolve inovação em gestão e negócios criativos. Sou Jornalista, Fotógrafa, Filmmaker, Educadora e Palestrante, além de pesquisadora autônoma. Dentro de nossa classificação pra Economia Criativa, sou da área de Comunicação Instantânea, com especialização em conteúdo Multimídias e em StoryMídias, com especialização em Audiovisual. "Espero contribuir com um conteúdo que inspire e ajude as pessoas a fazer um melhor proveito da criatividade, gestão e autonomia de carreira e negócios nas áreas criativas e no mundo digital". Se quiser conhecer um pouco de meu olhar criativo, acesse www.patriciabernal.me

Este post foi publicado em Brinquedos e Jogos e marcado com a tag em por .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.